domingo, 7 de junho de 2009

JUSTIÇA DECRETA GREVE DOS PROFESSORES PÚBLICOS ILEGAL

EDUCADOR SEMPRE ATENTO

O Sindicato- APEOC foi surpreendido na sexta feira à noite(05/06/09) com a notícia de que o juiz Francisco das Chagas Barreto Alves, 2ª Vara da Fazenda Pública do Estado, havia decretado(numa decisão altamente suspeitos de coluiu com o executivo), no fim da tarde, ilegal a greve dos professores do Estado e determinou que a categoria deverá retornar ao trabalho na próxima semana, estipulando ainda a famigerada multa diária de R$ 100, 00 para cada professor grevista e mais R$ 10 mil para o Sindicato APEOC, caso a decisão não seja acatada pela categoria.

VEJA VÍDEOS DA LUTA DOS PROFESSORES PARA FAZER VALER PISO NACIONAL.

2 comentários:

Auriberto Cavalcante disse...

COMPANHEIRO, ILEGAL É O VÔO DA SOGRA,É O ENTERRO DE SERES HUMANOS EM VALAS COMUM,
ISSO SIM MOSTRA A VERDADEIRA FACE DESTE GOVERNO "SOCIALISTA". AGORA SÓ PENSA EM
COPA DO MUNDO... 2014...2009 E A EDUCAÇÃO QUE SE EXPLODAM...

Ticiane disse...

Professores temporários são ou não professores?

No atual contexto, estes profissionais são apenas na visão dos governantes seu escudo máximo. Esses mesmos profissionais já vinha há muito tempo exercendo a função de legítimos professores (muitos deles há mais de dez anos).
Observação deve ser feita: quando do momento grevista, os referidos profissionais sofrem ameaças dos governantes colocando em dúvida suas ações de cunho metodológico e didático, que vinham no exercício de sua função maior, que é ministrar ensinamentos a uma coletividade estudantil carente do conhecimento a respeito do movimento reivindicatório.
É primordial evidenciar que nós, professores efetivos e temporários tornemo-nos uma força unitária na busca e no breve atendimento de nossas reivindicações, assim podendo adentrar em nossas salas de aula de cabeça erguida, para tenhamos uma ação docente real na transformação das mentes de nossos futuros cidadãos e cidadãs.

A justiça por nosso conhecimento esteticamente “cega” passou agora a ter comportamento equivocado na visão de um de seus pares, quando tratou professores de forma isolada. Em outros movimentos reivindicatórios jamais foi suscitada o pagamento de multa, quanto mais de valor exorbitante.

Espero como cidadão comum, que nossa magistratura superior não tenha infelizmente a mesma visão de alguns de nossos companheiros.

Continuemos na luta! Buscando uma educação na realidade de QUALIDADE.

LUCIANO JOSÉ DANTAS